Catar intensifica pedido por cúpula árabe de emergência durante reunião do CCG

Receita de Catar intensifica pedido por cúpula árabe de emergência durante reunião do CCG

A | A
O emir do Catar, Xeique Hamad bin Khalifa Al Thani intensificou a necessidade de realizar a cúpula de emergência entre as nações árabes e alertou dos perigos da tentativa de fugir da mesma.

O Catar elevou o pedido pela realização de uma cúpula árabe de emergência, em resposta a divergências entre os líderes árabes sobre os objetivos da cúpula, enquanto Israel continua sua incursão militar em Gaza pelo quarto dia consecutivo, matando 385 e ferindo 1800.

O emir do Catar, Xeique Hamad bin Khalifa Al Thani intensificou a necessidade de realizar a cúpula de emergência entre as nações árabes e alertou dos perigos da tentativa de fugir da mesma. A declaração aconteceu durante a participação do Catar na reunião do Conselho de Cooperação do golfo em Muscat.

Respondendo a questão de se a cúpula árabe pode constranger alguns líderes árabe perante suas posições dos ataques israelenses, o Xeique Hamad Al Thani disse que não há nada para se constranger, e isso é apenas desculpa para alguns escaparem da cúpula.

A reunião do CCG não conseguiu definir uma decisão conjunta perante a cúpula árabe, o correspondente da al-jazeera em Omã informou que as respostas dos líderes foram vagas perante estas questões.

Algumas nações do Golfo condicionaram a participação na cúpula com a boa preparação para a mesma. Outros defendem que os pontos sejam discutidos durante a reunião ministerial da liga árabe prevista para a quarta-feira (31).

Diferentes Posições

O ministro das relações exteriores de Omã Yusef bin Alawi bin Abdullah confirmou que as ligações são constantes entre os líderes árabes para agendar uma cúpula árabe de emergência para discutir a situação em Gaza, e garantiu que a sua nação participará da cúpula.

Anteriormente, o chanceler saudita, príncipe Saud al-Faisal, disse que o CCG não tomou uma decisão sobre uma possível cúpula árabe de emergência.

Um jornal saudita havia publicado uma declaração do chanceler saudita afirmando que não havia sentindo em realizar uma “cúpula de declarações” se a mesma não conter objetivos claros para sucesso e impacto, salientando que a reunião do CCG transmitiu esta responsabilidade para a cúpula ministerial árabe dessa quarta-feira.

O líder líbio, Coronel Muammar Gaddafi, tinha dito anteriormente que recusa participar da cúpula árabe de emergência "eu não vou estar presente em uma cúpula que só apresentará declarações de indignação e condenação”.

A situação na Faixa de Gaza dominou os debates na reunião do Conselho de Cooperação do Golfo, e foi mencionada na declaração final da reunião que pediu para a comunidade internacional que aja para a interrupção imediata do que chamou “a máquina assassina israelense” na faixa de Gaza, e que proteja o povo palestino.

O CCG salientou a importância da união nacional palestina e apelou a todos os partidos e facções internas palestinos para superarem as suas diferenças e enfrentarem a ocupação e a violação dos direitos do povo palestino.

A reunião do CCG também discutiu a crise financeira mundial, o mercado do petróleo, e a integração econômica do mercado dos países do Golfo.