Principal > Política > Notícias
Português العربية
    Tuesday, June 02, 2020
ArabesQ
Newsletter

Receba as nossas notícias por e-mail


Bahrein: oposição diz que presença militar estrangeira é ocupação

 Imprimir AFP | 15/03/2011 A | A
Publicidade
Consciência Jeans

A oposição bairenita, liderada por xiitas, queixou-se nesta segunda-feira da "ocupação estrangeira" após a chegada de tropas da força conjunta dos países do Golfo, que ajudam a restabelecer a ordem no momento em que se intensifica a contestação à dinastia sunita dos Al-Khalifa.

"O povo de Bahrein enfrenta um perigo real, o de uma guerra contra os cidadãos bairenitas sem declaração de guerra", ressaltaram os sete integrantes da oposição, dentre eles o Wefaq xiita, em um comunicado. "Consideramos a entrada de qualquer soldado, de qualquer veículo militar nos espaços terrestre, aéreo ou marítimo do reino de Bahrein uma ocupação flagrante, um complô contra o povo de Bahrein desarmado, e uma violação das (...) convenções internacionais", acrescentou a oposição. Mais de mil soldados sauditas já chegaram a Bahrein, de acordo com uma autoridade saudita que pediu para não ser identificada.

As autoridades bareinitas não confirmaram essas informações oficialmente, mas a televisão estatal divulgou imagens mostrando "a frente" de um contingente da força conjunta dos países do Golfo prestes a entrar em Bahrein proveniente da Arábia Saudita. Riad indicou ter "atendido a um pedido de apoio de Bahrein", em um comunicado do governo, que indica reagir a uma ameaça à segurança.

Já os Emirados Árabes Unidos anunciaram nesta segunda-feira que vão enviar tropas a Bahrein para contribuir com a preservação da ordem e da estabilidade no país vizinho. Em Washington, a Casa Branca pediu nesta segunda-feira aos países do Conselho de Cooperação do Golfo (CCG) que respeitem os direitos dos habitantes de Bahrein depois do anúncio do envio de tropas da Arábia Saudita e dos Emirados Árabes a este pequeno reino sacudido por violentos protestos.

"Pedimos a nossos aliados do CCG a conter-se e respeitar os direitos dos barenitas e atuar para favorecei o diálogo ao invés de impedi-lo", afirmou à AFP o porta-voz da Casa Branca, Tommy Vietor. Esse deslocamento de tropas ocorre após uma intensificação das manifestações xiitas que bloqueavam nesta segunda-feira os acessos ao centro de Manama, onde ficam localizados os bairros do centro financeiro e dos prédios públicos, segundo um correspondente da AFP.

A cidade está quase paralisada por uma greve geral lançada pelos sindicatos para protestar contra a repressão às manifestações. No domingo, os manifestantes foram dispersados pela polícia próximo ao distrito financeiro de Bahrein, ao centro bancário regional e ao arquipélago estratégico que abriga a V Frota americana.

Em seu comunicado, a oposição pediu à comunidade internacional que "proteja o povo de Bahrein do perigo de uma intervenção militar" e que "convoque por esse motivo o Conselho de Segurança" da ONU. Os soldados que chegaram a Bahrein fazem parte da força conjunta do Conselho de Cooperação do Golfo (CCG), chamada de "Escudo da Península", criada em 1984.

Qualquer força do CCG mobilizada em um país membro "deve ser autorizada pelo país que a recebe", ressaltou a autoridade saudita sob anonimato, levando a crer que cabe a Bahrein dar permissão às forças de ordem. O Bahrein é ligado por uma ponte ao leste da Arábia Saudita, sede do CCG, que reúne as monarquias árabes do Golfo, da qual faz parte Bahrein e que é constituída também pelos Emirados Árabes Unidos, pelo Qatar, por Omã e pelo Kuwait.

O CCG manifestou mais de uma vez a sua solidariedade com os autoridades bairenitas que enfrentam uma contestação crescente desde meados de fevereiro. Ele decidiu no dia 10 de março criar um fundo de desenvolvimento de US$ 20 bilhões para ajudar Bahrein e Omã, outro país em que ocorrem manifestações contra o governo. Em Bahrein, os ativistas exigem reformas políticas e uma verdadeira monarquia constitucional. Alguns não hesitam em pedir a saída da dinastia sunita dos Al-Khalifa que governa este país, cuja população autóctone é em sua maioria xiita.

 Imprimir
COMENTÁRIOS
 
Leonardo Dias Oliveira 3/21/2011 8:29:25 PM
Boa noite,vejo em tudo que vem acontecendo uma clara dominação em nome de democracia.Em países africanos sem recursos com governos autoritários, mais aliados comerciais da chamada coalizão nenhumna tropa entra.agora o oriente médio também está um barril de pólvoras,israell e palestina vivem em guerra a anos.e os brinquedos bélicos agora são tão potentes e perigosos,será nosso fim?uma destruição entre nós mesmos??uns se apegam a religião..outros na ciencias..alguns na democracia falada...nós aqui no brasil vivemos miséria demais também,uma clara carencia..qualo próximo alvo dos interesses capitalistas..o malvado fidel q dignamente faz milagre em cuba.ou vão ver até em nós um vilão..sem cuidados com a amazonia e sendo assim precisam intervir.se tudo já está tão confuso q alguém me explique algo..

E você, o que acha disso?
*Título
*E-mail
*Nome
*Comentário
*País
Enviar
* Todos os campos são necessários, o email não será exibido junto ao comentário. Não serão aprovados comentários com conteúdo indecente, racista, desrespeitoso e que não seja relacionado ao assunto comentado.
ArabesQ não se responsabiliza pelo conteudo dos comentários.
Rádio Arabesq
Veja Também

+ Populares

Copyright © 2009 ArabesQ, todos os direitos reservados.