Principal > Política > Notícias
Português العربية
    segunda-feira, 24 de abril de 2017
ArabesQ
Newsletter

Receba as nossas notícias por e-mail


Netanyahu confessa em vídeo secreto ter destruído o acordo de Oslo

 Imprimir Arabesq | 26/07/2010 A | A
Publicidade
Consciência Jeans

Um vídeo revelado pelo canal 10 israelense causou arrepios de Binyamin Netanyahu, o primeiro-ministro israelense, que deve estar rezando para não se espalhar pelo mundo.

Seu conteúdo ameaça constranger seriamente não só Netanyahu, mas também a administração de Barack Obama, o presidente dos Estados Unidos.

O vídeo foi filmado, aparentemente, sem o conhecimento de Netanyahu, nove anos atrás, quando o governo de Ariel Sharon começou a invadir as principais cidades da Cisjordânia para esmagar a resistência palestina nos estágios iniciais da segunda Intifada.

Na época Netanyahu havia se afastado um pouco da política, mas logo se juntou ao governo de Sharon como ministro das Finanças.

Em uma visita a uma casa no assentamento judaico de Ofra, na Cisjordânia para prestar condolências à família de um israelense morto em confrontos com palestinos, ele faz uma série de revelações sobre seu primeiro período como primeiro-ministro de Israel de 1996 a 1999.

Sentado em um sofá na casa, ele pede para desligar a câmera antes de dizer à família que enganou o presidente dos Estados Unidos da época, Bill Clinton, fazendo-o acreditar que desejava ajudar a implementar o acordo de Oslo - um acordo apoiado pelos Estados Unidos para a paz entre Israel e os palestinos – usando de pequenas retiradas da Cisjordânia, enquanto, na verdade, ele consolidava a irreversibilidade da ocupação. No vídeo Netanyahu se gaba de destruir o acordo de Oslo dessa forma.

Ele ainda afirma que “os Estados Unidos podem ser manipulados facilmente para a direção certa (para Israel)” e chama de “absurdos” os altos níveis de apoio popular norte-americano para com Israel.

Netanyahu também sugere que, longe de ser defensiva, a dura repressão militar israelense da revolta palestina foi projetada principalmente para esmagar a Autoridade Palestina liderada por Yasser Arafat, para que pudesse ser mais flexível e aceitar as exigências israelenses.

Todas essas alegações tem paralelos óbvios com a situação atual, com Netanyahu novamente como primeiro-ministro de Israel, enfrentando a Casa Branca e se opondo à sua política de reativar o processo de paz e limitar a expansão dos assentamentos israelenses em territórios palestinos ocupados.

Como no passado, ele tem aparentemente feito concessões públicas à administração dos Estados Unidos concordando em princípio com a criação de um Estado palestino, autorizando a realização de conversações indiretas com a liderança palestina em Ramallah, e declarando um congelamento temporário na construção de assentamentos.

Mas, os mesmo tempo, ele pediu ao poderoso lobby pró-Israel para exercer pressão sobre a Casa Branca, que parece ter cedido suas exigências mais importantes, e manteve na prática a expansão dos assentamentos, a desapropriação e expulsão dos palestinos, o bloqueio a gaza, e não permite a criação do Estado Palestino.

A visão desdenhosa de Netanyahu sobre Washington demonstrada pelas suas próprias palavras no filme, e as confissões orgulhosas de ter destruído o acordo de paz confirmam as suspeitas de muitos observadores - incluindo os líderes palestinos - que acusam Netanyahu de má fé quanto à busca pela paz no Oriente Médio.

Escrevendo no jornal israelense Ha'aretz liberal, o colunista Gideon Levy chamou o vídeo de "escandaloso" e prova que Netanyahu foi um artista "que acredita ter Washington no bolso e pode enganá-la quando desejar". Ele acrescentou que o primeiro-ministro não mudou ao longo dos anos.

No filme, Benjamin Netanyahu diz que Israel deve provocar "sopros (ataques sobre os palestinos), tão dolorosos, que o preço seria muito pesado para ser suportado ... Um amplo ataque à Autoridade Palestina, para aterrorizá-la e fazê-la acreditar que tudo está em colapso”.

Quando perguntado se os Estados Unidos podem se opor a isso, ele responde: "A América é algo que pode ser facilmente manipulado. Mudado para a direção certa ... Eles não vão ficar no nosso caminho ... Oitenta por cento dos norte-americanos nos apóiam. É um absurdo".

Ele então conta como lidou com o presidente Clinton, a quem ele se refere como “extremamente pró-palestino.. Eu não tinha medo de entrar em conflito com Clinton”.

Netanyahu teria usado um conselho de seu avô para fracassar as demandas da Casa Branca pela retirada do território palestino sob o acordo de Oslo. Diz ele: “Como meu avô diria, é melhor dar 2% do que 100%”.

Ele assinou o acordo de 1997 para retirar o Exército israelense de grande parte de Hebron, a última cidade palestina sob ocupação direta, como forma de evitar maiores concessões de territórios palestinos.

"O truque", diz ele, "não é continuar lá (no território ocupado) e falir, o truque é estar lá e pagar um preço mínimo."

O "truque" que paralisou a retirada israelense foi ditar que só Israel pode definir as “zonas militares de segurança” nos territórios palestinos ocupados sob o acordo de Oslo. Netanyahu exigiu por escrito tal poder, com isso podia manter a ocupação de forma justificada pelo acordo.
"Eles não queriam me dar esta carta, então não dei a eles o acordo da retirada de Hebron. Parei a reunião do governo, e disse: 'Eu não vou assinar. Apenas quando a carta chegar eu assino o acordo de Hebron’. Por que isso importa? Porque naquele momento eu realmente parei o acordo de Oslo" confessou Netanyahu.

 Imprimir
COMENTÁRIOS
 
Edmundo 27/07/2010 08:56:44
Estas revelações são a sintese do Governo Judeu como um todo e demonstra a fraqueza dos Americanos. Netanyahu não quer a paz, e tem o desprezo por Barak Obama simplesmente pelo fato dele ser um negro. Mas, o americano merece, pois até hoje não tomou uma medida séria com relação a Netanyahu, pelo menos para desmonstrar que é homem.

Cecilia 27/07/2010 21:08:37
De este señor se puede esperar cualquier cosa y los organos competentes creen todavia en la palabra de él, eso es lo que da mas impotencia que el mundo este mirando lo que hacen con el pueblo Palestino y se queden muy tranquilos, me hubiera gustado ver el video asi el mundo sabria con quien están lidando, con un asesino vamos aver si la justicia de haya lo va a llevar a juicio por el genocidio, por que el mundo no despierta de una vez y ve lo que realmente pasa en palestina? cuales son realmente los intereses del gobierno americano en todo esto, para mandar tropas a Irak fue rapidito y por que no mandan para Israel? miedo?, poder económico? venta de armas? toda esta política sucia da asco, y quien sufre con todo esto es el pueblo Palestino, que se esta muriendo de hambre y sed

Marisa 29/07/2010 19:56:35
Todos ficamos desolados de ver certas atitudes dos governantes desses paises,com relação ao povo palestino que a uito vem sofrendo com as atrocidades dos judeus, que nem parece ter sofrido nas mãos dos nacistas, com tudo me parece que os americanos estão cegos ou pirados achando que são os donos do mundo.Com relação aos judeus acho que deveriam ser mais humildes. Queremos paz e justiça.

Vera 31/07/2010 09:54:19
O video está na internet? Voce pode postar o link? Gostaria de divulga-lo.

E você, o que acha disso?
*Título
*E-mail
*Nome
*Comentário
*País
Enviar
* Todos os campos são necessários, o email não será exibido junto ao comentário. Não serão aprovados comentários com conteúdo indecente, racista, desrespeitoso e que não seja relacionado ao assunto comentado.
ArabesQ não se responsabiliza pelo conteudo dos comentários.
Rádio Arabesq
Veja Também

+ Populares

Copyright © 2009 ArabesQ, todos os direitos reservados.