Ativistas esperam chegar no final dessa semana à Faixa de Gaza

Receita de Ativistas esperam chegar no final dessa semana à Faixa de Gaza

A | A
Os líderes de um grupo de ativistas estrangeiros que compões o comboio “lifeline 3” aceitaram a rota imposta pelo governo do Egito para permitir a passagem dos ativistas e de ajudas humanitárias à Faixa de Gaza.

Os líderes de um grupo de ativistas estrangeiros que compõe o comboio “lifeline 3” aceitaram a rota imposta pelo governo do Egito para permitir a passagem dos ativistas e de ajudas humanitárias à Faixa de Gaza.

Liderado pelo ex-parlamentar britânico George Galawy, o comboio, reunido na Jordânia, pretendia atravessar nesse domingo (27) a passagem de Rafah do Egito para a Faixa de Gaza, em um gesto de solidariedade ao povo palestino, transportando alimentos e remédios para amenizar as dificuldades da população que sofre os severos efeitos do bloqueio israelense que perdura há mais de 3 anos.

O governo egípcio negou passagem ao grupo pela fronteira terrestre, alegando que a ajuda humanitária aos palestinos só pode ocorrer através do porto de Oreich. O ministro egípcio das relações exteriores, Ahmad Abu Al-Geit, disse que seu país saúda a iniciativa caso os ativistas se dirigissem à Síria de onde devem embarcar por mar rumo ao porto de Oreich do Egito, que, por sua vez, concederá passagem aos territórios palestinos.

Mohamad Saualiha, vice-presidente do comitê pelo fim do bloqueio à Faixa de Gaza, anunciou que o grupo partiu da Jordânia na manhã dessa segunda-feira rumo à Síria de onde os ativistas devem se dirigir novamente ao Egito, respeitando assim o acordo fechado com as autoridades egípcias. Mas lembrou que o mesmo prevê a passagem de todos os mantimentos e ativistas pela fronteira terrestre de Rafah, sem qualquer envolvimento ou autorização previa de autoridades israelenses.

O grupo, composto por ativistas de 17 diferentes nacionalidades, 270 europeus, 30 americanos, 177 turcos, entre eles 17 parlamentares, e 50 jordanianos, espera chegar ao porto de Oraich ainda ao final dessa semana transportando mantimentos em 215 veículos.

Anteriormente o grupo tentou, sem sucesso, protestar a proibição egípcia em frente à embaixada do Egito na Jordânia. Um enviado especial do governo da Turquia intermediou o acordo entre o Egito e o comboio “lifeline 3”.