Principal > Economia > Notícias
Português العربية
publicidade
    Sunday, September 22, 2019
ArabesQ
Newsletter

Receba as nossas notícias por e-mail


Eike Batista afirma vender outra fatia de holding por US$ 1 bilhão

 Imprimir Terra | 02/04/2012 A | A
Publicidade
Consciência Jeans

O bilionário Eike Batista provou que continua atraindo grandes investidores globais para seus projetos. Depois de vender participação na holding EBX a um fundo árabe por US$ 2 bilhões, prepara a entrada de mais capital de fora.

Não foi rápida a negociação entre os bilionários Eike Batista e sheik Mohammed Bin Zayed Al Nayan, dos Emirados Árabes. O acordo para a venda de 5,6% da EBX, holding que reúne os negócios do empresário brasileiro, por US$ 2 bilhões, para o fundo Mubadala Development Company, demorou quase um ano para sair. Com o negócio, o fundo soberano de Abu Dhabi passa a ser acionista das cinco empresas listadas na bolsa e quatro fechadas controladas pelo empresário. “O investimento fortalece consideravelmente todo o grupo e sua habilidade de implementar projetos”, afirmou Batista, sétimo homem mais rico do mundo, com fortuna de US$ 33,5 bilhões. 

Destino para o dinheiro não falta: com planos de investir inéditos US$ 50 bilhões nos próximos dez anos, a prioridade do dono da EBX é desenvolver as minas de ouro da empresa AUX e os ativos imobiliários da REX, além da criação de uma empresa de fertilizantes. As oscilações na economia internacional e a longa verificação de contas feita na EBX, que controla empresas de petróleo (OGX), mineração (MMX), energia (MPX), logística (LLX) e construção naval (OSX), contribuíram para a demora no fechamento do negócio. É o primeiro investimento na América Latina do Mubadala, um fundo modesto para os padrões do Golfo Pérsico, com patrimônio de US$ 27,6 bilhões.

Mesmo pequeno, o fundo é a menina dos olhos do sheik Zayed Al Nayan, e considerado um veículo de sua fortuna pessoal entre executivos de fundos soberanos. Al Nayan, aplica os recursos em empresas aeroespaciais, de energia, telecomunicações e TI. Investe até em hospitais e universidades, como as filiais da Cleveland Clinic e da francesa Sorbonne nos Emirados. Ao mesmo tempo, mantém parcerias com empresas gigantescas como a GE, Boeing e o fundo Carlyle. O aporte da semana passada é apenas a primeira etapa de uma operação para cacifar Batista em até US$ 4 bilhões. O empresário admite vender outra fatia da holding por US$ 1 bilhão. Segundo pessoas que acompanham o assunto, outros candidatos podem fechar negócio em breve.

O trabalho de ‘due diligence’ já feito pelo Mubadala será usado na negociação com outros. “Daqui para a frente, o desfecho será mais rápido”, diz uma fonte. Especula-se que um dos investidores seria o Abu Dhabi Investment Authority (Adia), do mesmo emirado, que é o maior fundo soberano do mundo, com patrimônio de US$ 627 bilhões. Eike nega estar negociando com o ADIA. Mais do que nunca, a extensa rede de contatos de Eike Batista no Exterior será útil. “O Eike se estabeleceu fora do País como a principal porta de entrada em novos projetos no Brasil”, afirma um banqueiro de investimentos. E o Oriente Médio, com os cofres reforçados pela alta do petróleo, deve ser uma boa fonte de recursos. 

“Os fundos da região já têm grandes investimentos na Ásia e não há bons rendimentos nos países desenvolvidos”, afirma o diretor de investimentos da Fundação Cesp, Jorge Simino. Como o maior ativo da EBX é a petrolífera OGX, Batista comemorou a entrada do Mubadala como uma chancela ao seu plano de negócios. Criticada por demorar em cumprir as promessas, a OGX produz petróleo desde janeiro – 12 mil barris por dia hoje – e fez a primeira entrega para a Shell na semana passada. Associar-se a estrangeiros é uma estratégia recorrente de Batista. O fundo de pensão canadense Ontario Teachers Pension Plan, um dos primeiros investidores institucionais de países desenvolvidos a entrar no Brasil, investe na LLX desde sua criação. 

Batista também se vale de parcerias com investidores estratégicos, que, além de recursos, trazem um aval aos projetos de suas empresas. O exemplo mais recente é o da alemã E.ON., maior geradora de energia da Alemanha, que fechou, em janeiro, um acordo para  operar usinas termoelétricas com a MPX (ver quadro). “Convencer uma empresa importante mundialmente no setor dá mais confiança ao mercado”, afirma o sócio da gestora carioca Queluz, Mauricio Pedrosa. É melhor mesmo reforçar a confiança enquanto os resultados não aparecem. No ano passado, o prejuízo das cinco empresas de capital aberto da EBX dobrou, para R$ 1 bilhão. Batista diz que as perdas em empresas pré-operacionais durante a fase de investimento são “comuns”.

 Imprimir

No momento não temos comentário, entre com o primeiro comentário aqui...
E você, o que acha disso?
*Título
*E-mail
*Nome
*Comentário
*País
Enviar
* Todos os campos são necessários, o email não será exibido junto ao comentário. Não serão aprovados comentários com conteúdo indecente, racista, desrespeitoso e que não seja relacionado ao assunto comentado.
ArabesQ não se responsabiliza pelo conteudo dos comentários.
Rádio Arabesq

Países Árabes
<
Arábia Saudita Argélia Bahrein Catar Djibouti
Egito Emirados Iémen Ilhas Comores Iraque
Jordania Kuwait Líbano Líbia Marrocos (em construção)
Mauritania (em construção) Omã Palestina (em construção) Síria Somália
Sudão Tunísia
VEJA TAMBÉM
MAIS VISTOS
Taxas

Moedas

Compra

Venda

Dinar Argelino

62.85

62.96

Dinar do Bahrein

0.37

0.37

Dinar Iraquiano

1,197.60

1,198.60

Dinar Jordaniano

0.70

0.701

Dinar Kuwaitiano

0.27

0.27

Dinar Líbio

1.19

1.19

Libra Sudanesa

2.05

2.06

Dinar Tunisiano

1.17

1.17

Dirham EAU

3.67

3.68

Dirham Marroquino

7.29

7.36

Franco Comorense


Copyright © 2009 ArabesQ, todos os direitos reservados.