Arábia Saudita quer maior participação no FMI

Receita de Arábia Saudita quer maior participação no FMI

A | A
As declarações de al-Jasser indicam que a Arábia não pretende contribuir com o FMI através da aquisição de novas cotas.

A Arábia Saudita expressou a disposição para aumentar a sua contribuição no capital do Fundo Monetário Internacional que está mais requisitado para assistência de nações que sofrem as conseqüências da crise econômica mundial.

O Governador da Agência Monetária da Arábia Saudita (Banco Central), Mohammed Al-Jasser, afirmou em coletiva, à margem do encontro interbancário do Golfo no Bahrein, que seu país está disposto a aumentar as contribuições no Fundo se aumentar o número de quotas entre os países membros na organização.

A crise econômica gerou dúvidas sobre a disponibilidade de recursos suficientes no FMI para ajudar os mercados emergentes e as economias em desenvolvimento diante da crise financeira.

Os Estados Unidos estimaram que o fundo necessita de 500 bilhões de dólares e se dispuseram a ajudar com 100 bilhões. A união européia e o Japão também ofereceram 100 bilhões de dólares cada.

A Arábia Saudita
 
A Arábia Saudita detém atualmente 3,21% do capital total do Fundo, o que lhe dá direito a 3,16% do total de votos na instituição.

As declarações de al-Jasser indicam que a Arábia não pretende contribuir com o fundo através de empréstimos diretos, mas sim através da aquisição de novas cotas, o que lhe garantiria maior participação nas decisões da instituição.

Com agências internacionais